terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

A armadilha do elogio fácil

Sim, eu sei, como todos sabemos, que os elogios aos nossos filhos devem ser dados quando merecidos e ter como objeto o esforço e o processo e nunca a criança, sob pena de os inibir no futuro, com medo de falhar e não corresponder às expetativas que sente criadas.

Sim, claro que sei que devemos dizer: "muito bem. Esforçaste-te e conseguiste!", em vez de "és tão inteligente!". 

Sim, eu sei, como todos sabemos, que estar sempre a elogiar os nossos filhos por qualquer coisa que façam, som que produzam, passo que dêem é um grande erro, daqueles mesmo crassos desssa cartilha infalível da educação que ainda ninguém escreveu.

Sim, eu sei, como todos sabemos, que isso levará a que dependam sempre de validação externa, em vez acreditarem nas suas próprias capacidades.

Sim, eu sei isso tudo. 

E eu tento, a sério que tento.

A parte de incentivar a tentativa e deixar a CLSM (coisa linda de sua mãe, para os mais distraídos) lidar com as frustrações, até não me corre mal. Não é difícil, porque sei o que está em causa. Minha santa mãezinha, cheiinha de amor e com a melhor das intenções, substituía-me em todas as coisas que não sabia/não queria fazer. (Isto aparte de tudo o que tivesse a ver com o estudo, porque essa era a minha praia, era a minha responsabilidade. Tão bem que ela esteve aqui...). Mas em tudo o resto, era fácil deixar que a mamãe tomasse conta de tudo. Não é bom.

Isso até consigo fazer. Mas a muitissimo custo! Só Deus sabe o que tenho de me contar para não ir lá encaixar aquele macaco no buraco que OBVIAMENTE é do macaco!! Eu suo, eu mordo o lábio, mas aguento-me à bronca!

Agora a outra parte, a de não me entusiasmar com tudo, essa então é do caraças! Só me apetece estar sempre a dizer-lhe que é maravilhosa, esperta, inteligente e a melhor criança deste planeta, portanto, o que todos os pais acham das suas obras.

Mas não me tinha ainda apercebido quão grave isto era, até ela começar a dizer, depois de qualquer coisa que faça, com um ar muito satisfeito:

- Boá! 

Ai, meu Deus, o que é que eu fiz?! Criei um daqueles seres odiáveis que se vangloriam por dá-cá-aquela -passa! Aqueles seres abomináveis que precisam de se afirmar por tudo?!! Nãaaaaaaaaaaaoooooo!

Momento de pânico e dúvida parental existencial!

Respira. Pensa. Mudança de atitude.

CLSM consegue fazer uma torre pela primeira vez! Mãe Patinha a ver, deixa-se explodir de orgulho e de braços levantados, batendo palmas, pulando que nem louca, entoa um sonoro:

- Razoável, meu amor! Muito razoável!!!! 

Muito melhor, não? ;)

Beijo da Patinha *


Toddlers and tiaras aqui vamos nós!!!




3 comentários:

  1. Lol! Razoável com entusiasmo é muito bom!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho, mamã linda! E que nome tão giro, esse! É de uma canção? ;)

      Eliminar